Se você é adepto do mundo fitness, com certeza, já ouviu falar sobre o jejum intermitente. Na contramão do que diziam os especialistas — que o ideal é comer de 3 em 3 horas —, ele traz a ideia de passar várias horas sem se alimentar e só comer quando realmente sentir fome.

Muitas pessoas acham que se trata de uma dieta, mas, na verdade, ele é uma estratégia para emagrecimento rápido e perda de gordura corporal. O queridinho de celebridades como Deborah Secco e Sabrina Sato promete trazer mais longevidade e bem-estar para quem o segue. Mas, afinal, o jejum intermitente faz bem?

Bom, ao longo deste post, nós responderemos a essa questão e explicaremos mais sobre esse método que está dando o que falar. Quer saber mais? Então acompanhe!

Como é feito o jejum intermitente?

Engana-se quem acha que, para aderir ao jejum intermitente, basta ficar sem comer por várias horas e está tudo certo. Ele tem regras que devem ser seguidas para não colocar a saúde em risco.

Uma delas é aliá-lo a uma alimentação saudável e rica em nutrientes, pois é necessário para o organismo ter um bom funcionamento. A outra é seguir os protocolos de jejum respeitando os limites do seu corpo

Entre eles, temos o 12/12; 8/16; 6/18; 4/20, em que o primeiro número significa a quantidade de horas em que é permitido se alimentar, e o segundo representa as horas em jejum, em que somente água, café e chás, sem açúcar ou adoçantes, são liberados.

Além disso, ainda existe o jejum de 24 horas, mas só deve ser feito por quem já está acostumado e sob orientação do médico ou nutricionista.

Por fim, mais uma regra: comer somente até a saciedade. Mas o que isso quer dizer? Significa que você deve se alimentar até não sentir mais fome, e não até sentir o estômago muito cheio.

Quais são os seus benefícios?

O jejum intermitente adquiriu respaldo ao ser tema da pesquisa que ganhou o primeiro lugar do Nobel de Medicina de 2016. O estudo comprovou que as células do nosso corpo fazem uma faxina interna quando ficamos em jejum. Com isso, elas prolongam a própria vida e, assim, a nossa longevidade.

Como o jejum intermitente favorece a queima de gordura corporal, é um grande aliado no combate a obesidade, diabetes e suas comorbidades, ou seja, ele auxilia na prevenção de todas as enfermidades que estão ligadas ao excesso de peso.

Além disso, as pessoas que seguem esse estilo de vida relacionam a ele uma melhora na qualidade da saúde e do bem-estar.

Quais são os malefícios?

O jejum intermitente feito sem acompanhamento profissional traz riscos à saúde que vão desde dores de cabeça, enjoos e tonturas até compulsão alimentar e outros problemas mais graves.

Pra quem ele não é indicado?

Embora traga muitos benefícios, essa estratégia não pode ser feita por menores de 18 anos, idosos, gestantes, lactantes, diabéticos que usam insulina, pessoas com baixo peso ou que sofrem de distúrbios alimentares.

Vale ressaltar que mesmo as pessoas que não se enquadram nas restrições podem apresentar muito desconforto ao praticá-lo e, se for o caso, não devem fazê-lo.

O jejum intermitente auxilia no emagrecimento e pode fazer bem para a saúde, desde que feito de maneira correta: com hábitos de vida saudáveis e acompanhamento do nutricionista. Por isso, se deseja utilizar essa estratégia, consulte um profissional para ajudar você.

Quer saber mais sobre saúde e bem-estar? Então nos siga nas redes sociais! Estamos no Facebook, Instagram e YouTube!