Por que sinto dor nas costas quando durmo?

A famosa dor nas costas. Quem nunca teve que agradeça bastante! As causas são diversas, como má postura, excesso de exercício físico, carregar muito peso, hérnia de disco, entre outras. No entanto, quando a dor é na região lombar, fica pior de noite e melhora com exercício físico, por mais de três meses, pode ser a manifestação de doença reumatológica crônica, conhecida como Espondilite Anquilosante (EA).

Essa doença é uma doença inflamatória crônica, que faz parte do grupo das espondiloartropatias. Contudo, de onde saiu esse nome tão diferente? Ele vem do grego ankylos, que significa dobrado/curvado, spondylos, que quer dizer vértebra e itis que quer dizer inflamação.

Dessa forma, didaticamente, a espondilite anquilosante é uma doença que provoca inflamação crônica nas articulações da coluna, que em contrapartida leva à rigidez e à ausência de amplitude de movimento das vértebras da coluna, podendo provocar com o passar do tempo sérias deficiências físicas, em razão do encurvamento da coluna (cifose).

A doença também pode acometer outros órgãos e sistemas do corpo, como por exemplo, nos olhos levando a quadros de uveíte, e o intestino, com presença de doenças inflamatórias intestinais, como colite. Outra característica é surgir simultaneamente a outras patologias crônicas, como artrite psoriática, artrite idiopática juvenil e psoríase. A espondilite anquilosante também pode acometer outras articulações de grande importância, como joelhos e quadris.

Resumo deste maravilhoso conteúdo

Homens jovens são principais vítimas

De acordo com especialistas, a inflamação das vértebras presente na espondilite anquilosante causa um processo de fusão entre as estruturas articulares da coluna, conhecida como anquilose. As vértebras se fundem umas nas outras. Levando a perda gradativa do movimento das articulações, gerando rigidez, perda da mobilidade e encurvamento da coluna, nomeada de cifose, ou popularmente chamada de concorda.

No entanto, como é uma doença que normalmente afeta pessoas jovens, especialmente homens, pode acontecer da lombalgia passar despercebida. A espondilite anquilosante normalmente surge entre os 15 e 30 anos da idade. No início, o sintoma é a dor na lombar que se dá a noite, se instala gradativamente e que, em vez de melhorar na hora do repouso, melhor com exercícios. Um outro sintoma é a rigidez matinal. Por ser uma doença de natureza insidiosa, isto é, que aparece e desenvolve lentamente, é normal ter atraso no diagnóstico, que acontece de variar de 8 a 10 anos.

Tratamento da espondilite

O intuito do tratamento para controle da espondilite anquilosante é aliviar os sintomas e diminuir as chances de deformidades. Para isso, existem o uso de medicamentos, à cirurgia e à fisioterapia.

Entre os medicamentos recomendados destaca-se os antiinflamatórios não-esteroidais, os relaxantes musculares e os analgésicos. A sulfasalazina tem sido bem eficaz para retardar o progresso da doença.

O acompanhamento de um fisioterapeuta é essencial para o portador da doença manter uma rotina de atividades respiratórias e posturais, com o intuito de fortalecer os músculos e ajudar na mobilidade das juntas.

Utilizando massagem para aliviar a dor da espondilite

A maioria das pessoas com espondilite está acostumado a ter dor na parte inferior das costas e outras regiões próximas. Mesmo que alguns medicamentos aliviem a dor e a inflamação, eles podem não ser o suficiente. A massoterapia pode ajudar bastante.

Realizando o alívio da dor da espondilite com massagem: Por que dói?

Além da dor nas articulações provocada pela inflamação, pode acontecer de desenvolver dores musculares. Essas dores nas articulações e rigidez pode modificar a forma como você se move, sentar, deitar e ficar em pé. Quando utiliza posturas que não são naturais para o seu corpo, ele começa a forçar os músculos que não estão habituados a atuar. Musculaturas sobrecarregadas tornam-se doloridos e desgastados.

Os benefícios da massagem

A massagem terapêutico faz milagres com a dor muscular e rigidez. Diversas pessoas se beneficiarão de variados tipos de massagem, mas grande parte delas vai preferir massagens nos tecidos moles, pois funcionam melhor na hora de aliviar os sintomas e acabar com o estresse. O profissional pode até mesmo utilizar óleos especiais para auxiliar na diminuição da inflamação.

Nutricionista Gustavo Schneider

Nutricionista CRN2 8501 - Formado pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali) e Especialista em Nutrição Esportiva pela Universidade Gama Filho (UGF). Entusiasta do uso de suplementação alimentar consciente e alimentação saudável

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Go up